Artigos

PRINCÍPIOS DO COMER INTUITIVO: 4 – Desafiar o “polícia” alimentar

Este princípio do Comer Intuitivo baseia-se no funcionamento da nossa mente. Na forma como pensamos, na forma como agimos e o que dizemos a nós mesmos.
A nossa mente, funciona como se houvesse sempre um “policia” alimentar de plantão avaliando se as “regras” determinadas pela mentalidade de dieta estão ou não a ser cumpridas.

Perante isto, todas aquelas situações que saiam “fora da lei”, são consideradas, na nossa mente, como “roubos” ou “crimes” e ao observamos as coisas assim, a culpa é a “prisão”.

No entanto, mesmo tendo o nosso “policia mental” interno, há também “policias” externos, ou seja, os amigos, os médicos, a família, etc. Que no meio onde estamos inseridos atuam quase como juizes para garantir que estamos a fazer o correto.

Nos princípios até aqui falados: mentalidade de dieta:

“não posso comer bolos porque engorda”

O de não honrar a fome e a vontade 

“posso comer, mas não devo”

O polícia interno 

“esse bolo é muito calórico”

e os externos

“assim tu não vaia emagrecer”

precisam de ser desafiados.
O resultado será conseguir comer algo que adores, como por exemplo, uma fatia de bolo sem sentir culpa.

Uma maneira de desafiar o “policia” alimentar é aprender a identificar as diferentes “vozes da comida” que atrapalham o processo ao qual nos comprometemos, ou seja, uma voz como o “jornalista nutricional” (usado para manter a pessoa em dieta, pois calcula mentalmente as calorias, gramas de gordura, índice glicérmico etc.), e a voz do “revoltado” (geralmente “manda” comer em excesso e abando-se assim, por desistindo do processo),

No entanto, o importante é que podemos transformar estas vozes em aliados: o jornalista nutricional pode-nos ajudar a fazer escolhas saudáveis, porém sem culpa. E a voz do revoltado pode tornar-se um aliado para nos ajudar a manter os limites dos excessos em equilíbrio.

As crenças irracionais e os pensamentos disfuncionais, tais como os:

  • pensamentos dicotómicos – tudo ou nada (comer uma barra grande de chocolate ou priva-me dele)
  • pensamentos absolutistas – um comportamento afeta e controla um segundo comportamento (“preciso comer tudo direitinho nos próximos meses caso queira (tenho de) emagrecer para o casamento”)
  • pensamentos pessimistas – copo meio vazio (“eu nunca vou ser magro”; “eu sou um fracasso”)
  • pensamentos lineares – só um resultado importa (“preciso perder 1 kg por semana durante 10 semanas”).

Estes padrões ao seres identificados, podem ser substituídos por pensamentos racionais. Trazer para o consciente a forma como pensamos, entender os pensamentos e a origens deles só nos trará vantagens nesta caminha de mudança do comportamento alimentar.

Potenciar o autoconhecimento será uma mais valia em qualquer área da tua vida.

É possível promover um comer intuitivo com mudanças de comportamentos e atitudes, considerando todos os fatores biopsicossociais envolvidos nas tuas escolhas alimentares, promovendo a autoeficácia.

Despede-te do teu “policia alimentar”.

Alimenta a tua mente 💚

Newsletter

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply