COMO CONTROLAR A FOME EMOCIONAL

Tens fome emocional?
Comes de uma forma descontrolada para atingires uma sensação de prazer?
Como está a tua relação atual com a comida?
Quantas vezes por semana comes emocionalmente?
Gostavas de perder peso e sentes que não tens controlo sobre ti nem sobre a comida?

Certamente tens muitos destes conflitos emocionais e ainda tantos outros…

Qual a razão de não conseguir emagrecer?
Porque não consigo?
Porque é que as outras pessoas emagrecem e eu não?

Sei que muitas vezes te perguntas isso e sentes uma sensação de vazio, frustração, tristeza, fracasso… É também uma sensação urgente, imediata de conseguires esse objetivo de te controlares.

Hoje, ainda acreditas que precisas de ter foco ou força de vontade porque não consegues controlar a tua boca.

Parece quase que tens um mantra “eu estou gorda, eu não consigo…“. Dizes isso diariamente e essa energia não muda, não fui, não deixas que ela renasça. .

O primeiro passo é procurar a solução no local ideal, caso contrário vais continuar no mesmo caminho até hoje.

Talvez o teu foco esteja desalinhado com o teu objetivo.

Certamente hoje o teu foco está em não comer doces, hidratos, bolos, etc. porque queres emagrecer, porque quando comes estes alimentos não te consegues controlar…

Mas ainda assim o teu foco pode ser emagrecer e está tudo bem mas há quantos anos estás com esses foco e a fazeres as mesmas coisas e as mesmas perguntas?

Entende que não é falta de força de vontade, disciplina, só querer…

Porque consegues tantas coisas na tua vida menos “fechar a boca” para emagrecer?

Se hoje em dia comes por tristeza, ansiedade, nervosismo, medo, comemoras com comida, comes quando não tens nada para fazer, quando estás sozinha… nada disso tem a ver com o alimento ou nutrientes, mas sim com emoções.

Lê também: Lidar com as emoções sem usar a comida

Então o nome disto é fome emocional.
Não é foco, força de vontade ou disciplina, como podes ver.

Até hoje estás habituada a que te digam o que comer, o que não comer e pronto, está feito.
É quase como fosse um problema de matemática, com lógica … mas não. não é lógico o comportamento alimentar pois existem variações de comportamentos, oxidações…

Não adianta eu dizer-te agora não comas isto, não faças isto, faz antes isto… tu vais dizer: eu sei disso Ana… Pois tu sabes o que tens ou não de fazer, mas há algo mais forte do que tu, que te comanda e tu não sabes lidar.

Se o comportamento fosse lógico nós seriamos coerentes e não é o que acontece:

tu dizes que queres emagrecer e comes desconsoladamente;
tu dizes que queres ser magra e continuas sentada no sofá.

Se é simples? não é… mas é possível.
Agora, somente estás a focar-te no que não te faz dar o salto.

E agora estás a dar atenção a uma parte da tua importante – as emoções

Mas como “controlar” a fome emocional?

Eu sei que gostavas de uma resposta objetiva, como estás habituada, mas não tenho essa respostas para ti, pois eu não te vou dar uma única ordem porque desse corpo onde moras todos os dias, tu é que o conheces… e de todas as vezes que te deram ordens externas, todas essas tentativas que fizeste até hoje funcionaram?
Não, pois não… por isso, o caminho não é esse.

A solução passa somente por aprender a lidar com as emoções. Este é o primeiro e único passo e nada tem a ver com o alimento em si.

Questiona-te:

Como está a minha relação?
Faço o que gosto a nível profissional?
Como chego a casa diariamente?
Levanto-me com energia e motivação?
Como está a minha vida familiar?

Quanto tempo tenho para mim durante o dia?
O que penso sobre mim quando me vejo ao espelho?
Quanto tempo tenho para os meus hobbies?
Do que sinto falta quando vou comer?
O que a comida me gera?

São perguntas que te fará mudar o foco. Mas não precisas de o fazer sozinha.
Certamente estás farta de tentar e por isso eu criei o Método alinha que através de mentoria individual eu auxilio-te na tua jornada de transformação.

Não quero que continues a viver assim.
Quero que tomes uma decisão e entendas que não precisas continuar a viver assim. isso está a ter um impacto na tua vida, nas tuas relações, na tua profissão…

View this post on Instagram

Uma relação emocional disfuncional com a comida pode ser despoletada a partir de diversos momentos no decorrer da tua vida. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Muitas vezes, inicias essa relação emocional com determi­nado alimento quando vives um momento difícil. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Em muitos casos essa relação já se inicia desde a infância, quando, por exemplo, se recebe doces ou outros alimentos como forma de conforto. Vamos aprendendo que os alimentos têm uma série de significados: culturais, sociais, religiosos, afetivos e económicas. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Muitas vezes os sentimentos e o choro das criançaa são condicionados, não sendo estas ensinadas a lidar com aquele sentimento incomodo. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Independente­mente de como começou contigo, viver numa relação emocional disfuncional é extremamente desgastante. Todos os dias lutas para controlares os teus pensamentos e sentimentos evitando que as tuas emoções se façam ouvir e por isso, comer é tão mais fácil. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Passas os dias a comer mais do que precisas, deixando-te constantemente num ciclo emocional enfraquecido e sem forças para saber lidar com esses sentimentos. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Na verdade, comer por motivos emocionais começa a ser um problema quando começa a ser muito frequente e/ou quando não tens consciência do que está a acontecer. Por isso, desde que isso seja feito com consciência, esta forma de comer é considerada completamente normal. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Normalmente, nestes momentos, comes muito rápido, com uma vontade gigante em comer um alimento específico (como doces), com uma agonia no “peito” que não passa até o comeres. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ É como se o alimento tivesse poder sobre ti e é como se não tivesses outra escolha a não ser comer o alimento. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Mas tens! 🙏 ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Conta-me, costumas sentir muita fome emocional? ✨ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

A post shared by 🌿 Alimentação & Intuição 𓂀⁣ (@newtricao.analopes) on

Deixa essa vergonha, a culpa e a constante autocrítica porque não consegues, porque não és capaz…
Diz um chega: de engolir as tuas emoções e apaziguá-las com comida.

Eu quero que entendas que a fome emocional não vai acabar, pois faz parte da vida a fome e as emoções.
O que é possível aprender é a saberes lidar com a emoções e reconhecer o gatilho por detrás da fome emocional.

Não há como eliminar mas sim lidar.

As emoções fazem parte da nossa vida e vão fazer sempre. não adianta quereres eliminá-las.
Podes começar por entendê-las, ter consciência delas e deixar de estar num estado de vitima.

Vais começar por ter consciência mesmo sem saber ainda como lidar, mas já tens consciência e p conhecimento de uma nova realidade/caminho/solução.

A evolução surge a cada dia. Ainda há pouco não tinhas consciência disto e agora já tens.

A decisão dependerá sempre da tua consciência.

Algumas de vocês vão ficar só por aqui mas tantas outras que querem dar o salto e é a ti que eu vou dar a mão.

A vida não é linear, as emoções não são para serem eliminadas.
O alimento não é o problema.
A autoconsciencia e a autorresponsabildiade são a solução.

Vamos juntas? 🤗

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *